Google
 

Tuesday, February 28, 2006

Os males da rotina

A rotina é algo que consegue tirar a motivação de qualquer pessoa. Muitos começam suas carreiras profissionais super motivados, até mesmo empolgados com a perspectiva de sucesso profissional, porém, anos depois, tudo o que existe são reclamações da rotina escravizante e sugadora das forças que mantém o ânimo e a alegria da vida. A rotina não é somente responsável por fazer do trabalho uma das piores coisas da vida (há excessões), mas também é responsável por destruir relacionamentos (de um simples namoro até um casamento sólido), por tirar a poesia da vida, por estagnar o ser humano, fazendo dele um ser mecânico, limitado aos hábitos do dia-a-dia, sem a coragem de enfrentar o novo ou desconhecido.
Entre várias definições para a palavra rotina, uma me chamou a atenção. Rotina significa obedecer normas, evitar alterações ou mudanças. Talvez e acho que eu esteja certo, a grande razão da rotina ser tão devastadora, é justamente o fator não-mudança. Ainda que o ser humano não sobreviva sem certos hábitos, do tipo, alimentar-se, escovar os dentes, tomar banho, dormir e acordar todos os dias, ainda certos padrões de comportamentos, o fator mudança sempre fará parte da vida humana. Por mais que os conceitos entre hábito e rotina sejam semelhantes, não creio que as duas palavras sejam sinônimas. Na verdade, creio que é impossível viver sem hábitos, porém, acho que sobreviveríamos sem a rotina.
A palavra rotina, em si, carrega uma conotação negativa, como algo que traz maus sentimentos para quem dela faz uso. Já o hábito, em muitos casos, é sinônimo até de preservação de algo. Como por exemplo, comportamentos adquiridos em processos habituais de seres humanos da mesma comunidade.
Creio que as coisas pioram quando fazemos do nosso relacionamento com Deus uma coisa “rotineira”, ou seja, mecânica. O fator não-mudança no relacionamento com Deus, pode paralizar e congelar a nossa vida com Ele. Deus não muda em Seus atributos, porém, sempre trará mudanças na vida do homem que quer se aproximar e crescer nEle (em graça e em conhecimento). Esta dinâmica de mutabilidade de um Deus imutável se dá porque Deus conhece a necessidade humana de crescer, de melhorar, de transformar, de mudar. E Ele oferece está vida abundante, para aqueles que querem e que se aproximam com as motivações corretas.
Infelizmente, a religião tem o poder de operar contrariamente ao que Deus pode fazer em nós. A religião pode se tornar uma catalisadora de rotinas na alma humana. E ao fazer isto, a religião se torna responsável em destruir a vida de alegria e de contentamento, como também de consciência das responsabilidades, de um relacionamento saudável entre Deus e os homens.
Concluo dizendo que também encontramos em nós uma parcela de culpa, quando deixamos o nosso relacionamento com Deus paralizar por conta do poder nocivo da rotina da religião. Sim, pois o fator comodismo neste caso tem um papel importantíssimo. A vida cristã não se limita aos sermões da igreja, à adoração na igreja, ou aos projetos feitos pela igreja. Nós somos muito mais responsáveis pela manutenção da nossa vida cristã, do que a igreja. A nossa saúde espiritual deve ser preservada, ainda que não tenhamos um prédio para irmos aos finais de semana. Ou até mesmo se tivermos um, mas o virmos como um lugar apenas para marcar presença. Em ambos os casos, repousa sobre nós a responsabilidade de não deixarmos que a rotina massacrante da vida e da religião, apague o amor e a chama da presença de Deus em nossos corações.

Rodrigo Serrão

6 comments:

Adriana Simoes said...

É um saco a tal da rotina!! Mas, ela está sempre grudadinha em nós, e nos aborrece muito. Percebemos isso quando conseguimos sair um pouco dela e abrimos a boca para dizer "até que fim sai um pouco da rotina", por outro lado, tem pessoas que almejam escapar um pouco dela, porém, estão tão MAL acostumados, que não conseguem sair dela por muito tempo.

Já que temos rotina com estudos, trabalhos e com hábitos pessoais, temos que ter cuidado para não cair na rotina espiritual, como você mesmo falou, e se esforçar para não cair na rotina emocional.

Porém, existem rotinas que não deixam de ser prazeirosas, exemplo, é uma rotina eu entrar neste blogg, porém, acho muito bom ler seus textos. :)

Deus te abençoe e cuidado com a rotina :) !!!

Dri

Rodrigo Serrao said...

Creio que açoes contínuas que geram prazer chamam-se hábitos e nao rotinas.
Se parecem, mas nao é a mesma coisa.

Adriana Simões said...

O Hábito de fazer algo todos os dias, está incluido na sua rotina diária. Sendo assim, não fica errado você chamar de rotina. Vc escovar os dentes por exemplo é um hábito, incluso na sua rotina diária, logo esse ato se torna rotina, muito embora, seja e sempre será um hábito, pois, se você sair da sua rotina, o hábito continua. E escovar dente nem sempre é prazeiroso, e sim, mera obrigação de higiene pessoal.

Gio said...

Caramba me enrolei todinha com esses comentários! :)
Mas apreciei de verdade o texto. Acredito que os termos se confundem, mas é como Rodrigo disse, "rotina" já possui uma conotação negativa, e o "hábito" pode ser bom ou mau, depende do tipo. Sei lá ... O importante é que não façamos realmente de nosso tempo com Deus uma rotina cansativa. Mas que a cada dia, busquemos agradá-lo com nossas atitudes e conservando bons hábitos, saindo ou não da rotina.
Beijão, Gio.

Rodrigo Serrao said...

Hey Gio,
Valeu pelos comments. Apareça sempre.
bjos
Rodrigo

Adriana Simoes said...

Humm gostei da nova roupa do blog! Bem clássico!!

Deus te abençoe sempre
bjs

Dri