Google
 

Monday, May 18, 2009

Retornando ao Bra"z"il





Estou prestes a voltar ao Brasil. Em aproximadamente duas semanas, estarei me despedindo de pessoas muito amadas que vivem aqui nos EUA e estarei “heading back” para o País que sou cidadão.  Contudo, esta mudança que estou prestes a fazer não será fácil.  Após viver aqui por pouco mais de 5 anos, eu me considero bastante adaptado à cultura e aos costumes locais.  Me adaptei ao sistema de ensino, ao modo metódico de pensar e de raciocinar.  Me adaptei à organização, à pontualidade, à limpeza tanto das ruas quanto dos prédios públicos em geral.  Me adaptei a dirigir em grandes e espaçosas autopistas, me adaptei a um sistema de polícia que funciona, me adaptei a segurança pública.  Também me adaptei a pagar barato por eletrônicos, carros, fast-food e pagar caro por qualquer tipo de serviços prestados por profissionais liberais.  Me acostumei a pegar sub-empregos de poucas horas semanais e mesmo assim ganhar um dinheiro bom.  Me acostumei a falar, ler, e escrever em inglês.  Me acostumei a ver pessoas de quase todo o mundo (falando em seu próprio idioma).  Me acostumei a ver o drama do imigrante ilegal (principalmente mexicanos).  Me acostumei a ver bons (humildes, tementes a Deus, respeitadores, piedosos, trabalhadores) Americanos e maus (arrogantes, preconceituosos, safados, metidos, vagabundos) Americanos. Me acostumei a ver igrejas e mais igrejas de toda e qualquer denominação.  Como também a ver representantes de quase todas as grandes e pequenas religiões do mundo.  Me acostumei a participar em uma igreja de imigrantes onde a maioria eram indocumentados e consequentemente ilegais no País, mas que de algum modo isto não trazia culpa e nem era tratado como pecado.  Me acostumei a ir ao cinema de um dólar e de alugar filmes em máquinas nas farmácias e walmarts por também um dólar.  Aliás, também me acostumei ao walmart e ao dólar.  Me acostumei a viver em casas que não abrem as janelas, mas que tem ar-condicionado central para o verão e aquecedor central para o inverno.  Me acostumei a sentir muito frio no outono-inverno e muito calor na primavera-verão.  Me acostumei a ver o desperdício do Americano com energia, comida, bebida, e tudo mais que você possa imaginar.  Me acostumei (mas com muita indignação) a ver pessoas consumistas e materialistas que só vivem para acumular coisas.  Enfim, me acostumei a ser um imigrante brasileiro nos EUA que observava o comportamento de todos ao meu redor.  Inclusive, observei o meu próprio comportamento e as minhas próprias mudanças e minhas próprias adaptações à sociedade Americana. 

Agora é voltar ao Brasil.  Pedir a Deus que eu me re-adapte à minha nação.  Que eu evite as comparações entre os dois países.  Que eu possa guardar em mim a mentalidade que colocou os EUA no primeiro-mundo, sem que com isso eu subestime ou menospreze ações que insiste em manter o Brasil no terceiro-mundo.  Eu quero voltar e ver um Brasil diferente, um Brasil mais justo, menos corrupto, mais organizado, menos pobre, mais gerador de oportunidades para todos, menos castrador de sonhos.  Espero voltar para o Brasil e ter gosto e prazer pelo meu País.  Espero voltar e ver que as pessoas estão mais solidárias, mais educadas, que o trânsito está mais organizado e que o povo está mais conscientes do seu papel nas transformações sociais. 

Eu oro a Deus para que abençoe ao Brasil e a mim que retorno ao lar.            

4 comments:

Eu, Dona de casa said...

Desejamos tudo de bom no seu retorno para o Brasil Rodrigo.
Deus é Fiel, não te desamparará.Tudo o que acontece em nossas vidas, acontece com a permissão do Senhor, então creia e descanse NEle.

Um abraço bem forte de boas vindas!
Gio e Geo.

Rodrigo Serrao said...

Obrigado gente. Nao vejo a hora de reve-los em Jampa. Abracos!

Adriana Simoes Serrao said...

Lindas as palavras de Gio & Geo amor.

E eh isso, com Jesus no braco tudo vai bem.

Coisa boa eh ter um coracao voltado para Deus, assim, mesmo que o receio do novo queira nos invadir, Deus toma a frente e nos conforta.

Te amo marido e estamos juntos nessa, para o que der e vier.

Que Deus nos abencoe sempre

Drizinha

Anonymous said...

Rdrigo, meu grande amigo.
Como fico feliz ao ler tuas palavras quando retratas em resumo o que é um brasileiro viver tanto tempo nos EUA. Eu que já vivi esta experiência, embora por bem menos tempo que vc, tenho noção do que tudo isso significa para vc. Sou feliz por ter sido um dos que Deus usou para te levar até os EUA e de alguma forma abrir as portas dessa nação para vc de forma que o plano dEle fosse cumprido em tua vida.
Sou feliz quando recordo os teus primeiros dias na igreja, das primeiras mudanças que foram perceptiveis e hoje ver que o surfista maluco ficou para tras e hj existe um homem transformado pelo poder de Deus, fiel e temente a Ele, exemplo de vida para outros assim como eu, que, mesmo tendo tantos momentos bons com Cristo, relutam em entregar-se completamente aos Seus braços e deixar que Ele guia a sua vida, assim comot em guiado a tua nesses últimos anos.
Seja bem vindo nobre amigo, assim como o Pai te abraça e acolhe, o Brasil te recebe de volta e nós, teus amigos, sentiremos mais uma vez o calor da tua presença amiga e de tuas palavras sábias.
Fica com Deus.

Um abraço do amigo e irmão, Isaelson Ramos